Publicações

19/01/2017

Ocupando o Brasil

 Ocupando o Brasil

*Jorge Jatobá


A proposta de reforma do ensino médio está sendo objeto de controvérsia e de protestos materializados por ocupações de várias escolas em todo o país. Ela foi inspirada em experiência bem sucedida de Pernambuco que subiu, em poucos anos, do 21º (nota 2,7) no ranking do IDEB (MEC/INEP) para o 1º lugar (nota 3,9) dentre os estados do país.


A proposta que objetiva reduzir o número de disciplinas obrigatórias e estender a jornada escolar, é um avanço pois permite ao estudante fazer a escolha das matérias que melhor atendem aos seus objetivos. Alguns estudantes poderiam, assim, concluir o curso com conhecimento profissional que lhes permitissem encarar o mercado de trabalho de imediato sem prejuízo de mais adiante procurar ingressar em curso superior, ou pode prepará-lo logo para este último objetivo.


O atual curso médio não faz bem nem uma coisa, nem outra. O resultado se manifesta em altas taxas de abandono (6,8% em 2015) e de distorção idade-série (27,4% em 2015) além do elevado percentual daqueles jovens de 15 a 29 anos de idade que nem estudam nem trabalham (22,5% em 2015). Questionados sobre a razão do protesto e das ocupações o principal argumento das lideranças estudantis não recai no conteúdo, até mesmo porque é difícil lhes negar os benefícios, mas na forma, ou seja, que a matéria não deveria ter sido encaminhada pelo Executivo Federal como medida provisória. Concordo com o argumento não fosse o fato de que matéria semelhante está adormecida no Congresso Nacional há anos sem que tenha sido aprovada, muito menos exaustivamente debatida. Todavia, dado esse argumento será que é mesmo urgente avançarmos nessa questão? Argumento que sim, pois reformas do ensino, em qualquer nível, levam muitos anos para gerar os primeiros resultados. Veja-se o caso da Coréia do Sul que revolucionou sua educação e, por consequência sua economia, em cerca de vinte anos. O Brasil tem pressa. Isso está claro nos últimos resultados do PISA, um teste internacional de proficiência em matemática e ciências, onde o Brasil há anos se situa sempre na cauda inferior dos resultados. No último exame (2016) o Brasil alcançou o 65º lugar entre 70 países no exame de matemática.


Os países bem sucedidos no PISA, antes europeus como Holanda e Finlândia e, mais recentemente, os asiáticos como Cingapura e Coréia do Sul, creditam seu sucesso a  um pequeno, mas importante conjunto de fatores, quais sejam:  professores  recrutados e constante mente reciclados  em bons  Centros Superiores de Formação; docentes que são remunerados de acordo com habilidades, méritos e produtividade valorizados pelo mercado; boa gestão escolar baseada em disciplina, método e resultados permanentemente monitorados, e;  aplicação rigorosa do princípio de que nenhum estudante pode ser deixado para trás. Adicione-se a esses ingredientes a valorização da educação pela sociedade e a participação cuidadosa dos pais na interação com a escola e obtém-se uma receita de sucesso. A qualidade da educação resultante forma cidadãos e pessoas qualificadas para atender às demandas de uma economia moderna e competitiva. Falta de dinheiro não é o principal problema nem nesses países, nem no nosso. Vários especialistas já afirmaram que recursosfinanceiros não constituem o maior obstáculo à conquista de uma educação de boa qualidade.


As principais dificuldades estão: na formação dos professores que saem mal preparados dos Centros de Educação das nossas faculdades e universidades; nas deficiências curriculares dos cursos de formação que não os qualificam bem para a sala de aula; na consequente má remuneração que não atrai os melhores profissionais para as escolas; na falta de uma política permanente de requalificação docente; na aversão de alguns professores e sindicatos a mecanismos meritocráticos de desempenho, e; a uma gestão escolar quase sempre tíbia  e descomprometida das metas estabelecidas pelas autoridades educacionais.


A resultante é que o país apresenta baixos indicadores educacionais e, por conseguinte, uma economia de baixo conhecimento e produtividade. Não se argumenta que a educação só deva qualificar jovens para o mercado de trabalho, mas este é um dos principais objetivos da educação em uma sociedade capitalista. O outro, muito importante, é formar cidadãos para a vida em uma sociedade democrática e para serem líderes em todos os setores de atividade.


Não estamos atingindo os dois objetivos. E os jovens que ocupam as escolas talvez não tenham plena consciência disso. Em vez de ocupar escolas devemos deixar que a educação ocupe o país.


_________________________________


Este artigo é de única responsabilidade do autor, não refletindo opiniões da Ceplan.




*Jorge Jatobá é Doutor em Economia e Sócio-Diretor da Consultoria econômica e Planejamento - CEPLAN e CEPLAN MULTI. Este artigo foi publicado na Edição Nº 130 da Revista Algomais (Janeiro de 2017).



Rua João Ramos, 50 - Sala 409 - Graças - Recife PE - CEP 52011-080
Tel: (81) 3414.8181 / Fax (81) 3414.8182 - ceplan@ceplanconsult.com.br

Produzido pela Prática

Associado a:

Rede Gestão Amcham Brasil IEST Observatório do Recife Instituto Ação